catolicoresp

Apenas defendendo minha fé, e cético em relação aos ateus

Archive for agosto 2011

Resumo mensal: Agosto

leave a comment »

Ir para [Página Inicial]

Estamos no fim de mais um mês, então precisamos do Resumo Mensal! Nesse mês de Agosto consegui mandar 10 posts, e aqui segue a lista deles:

Bom, aí está feito o resumo! Espero que estejam gostando do blog, e não se esqueçam de divulgá-lo para amigos e parentes para que possamos derrubar o neo-ateísmo em conjunto! Se quiser, deixe seu blog aqui nos comentários que eu visitarei. Podem fazer dúvidas, críticas e sugestões aqui nesse mesmo post. Não se esqueçam de dar sugestões para temas a serem discutidos no futuro!

Anúncios

Written by catolicoresp

31/08/2011 at 08:13

Publicado em Resumos mensais

Tagged with , ,

O absurdo da vida sem Fé

with 3 comments

Ir para [Página Inicial]

Bom, temos aqui um post que vai nos dar uma bela dor de cabeça, sobretudo porque vamos ver um monte de ateus chiliquentos: “ORA! Eu não tenho fé e minha vida não é um absurdo!”, mesmo dadas as minhas explicações. O que é fé? Usemos a definição do Wikicionário:

2. Crença em algo que não está ou não pode ser comprovado.

Ou então nosso bom e velho dicionário Aurélio:

5. Crença, confiança.

A grande confusão feita é, geralmente, entre  e fé cega. Por isso alguns dizem que ter fé é “acreditar em algo sem evidência alguma”, quando na verdade esse é o conceito de fé cega, que é diferente da fé normal.

Ou seja, ter fé é acreditar em algo. Já comentei aqui nesse blog que é necessário ter fé para crer em algumas teorias científicas, como a Teoria da Evolução, não que eu rejeite a hipótese(eu também já disse que sou Evolucionista. Mais especificamente, creio no Design Inteligente, mas minhas crenças pessoais são irrelevantes para o post), mas porque é uma Teoria bastante evidenciada, mas nunca foi provada cientificamente de modo definitivo.

Há também o fato da Terra girar ao redor do Sol. A maioria das pessoas não observou esse acontecimento, apenas ouviram pessoas que lhes contaram: Elas mesmas não possuem motivo algum para crer nisso, na verdade isso é até anti-intuitivo(olhe para cima e sua dedução será que a Terra está parada e o Sol girando em torno da Terra!), mas nós todos cremos no que o professor contou quando éramos novos: Ou seja, acreditamos nisso por fé.

Já começamos a perceber o problema de querer viver sem ter fé nenhuma, não é? Você não acreditaria nem que a Terra gira ao redor do Sol… Espere! Você provavelmente nunca viu um fóssil sendo retirado, então não sabe se o suposto fóssil que eles dizem ter achado não é mero fingimento! Logo, você também rejeita a Teoria da Evolução. Na verdade, você provavelmente nunca fez o teste de Rutherford para saber se o átomo é conforme nos apresentam… Rejeite a Teoria Atômica atual também!

Não contrate ninguém para trabalhar na sua casa! Mesmo que seja da agência: Para rejeitar qualquer tipo de fé, você teria que temer pela vida dos seus filhos que estarão com a empregada ou com o motorista, pois ambos podem ser assassinos pedófilos, mesmo que você tenha fé que eles não sejam! Não vá, também, ao médico! Você não mediu as competências dele para saber se ele merece o diploma recebido: Se quiser acreditar na competência dele, você precisará de fé, coisa que você descarta!

Mas também não vá direto à farmácia! Você não sabe se eles modificaram o remédio ou se a data de validade está correta ou foi alterada… Ihhh, acho que você vai ter de esperar pela sua morte, se for recusar todo tipo de fé…

Conclusão:

Esse post é só pra mostrar aos neo-ateus que, embora eles insistam que alguém que tem fé é um burro, um estúpido e devia começar a pensar, eles também possuem fé… E vou mais além: Ao mesmo tempo em que temos fé no Teísmo, eles têm fé no Ateísmo! Isso sem contar todos os exemplos que dei acima mostrando o absurdo que a vida seria se fôssemos recusar toda e qualquer atitude que exigisse fé.

Written by catolicoresp

30/08/2011 at 15:51

Publicado em Outros

Tagged with , , , ,

A improbabilidade do Ateísmo

with 2 comments

Ir para [Página Inicial]

Vou falar hoje de um tema bastante interessante, que raramente é abordado: A improbabilidade do Ateísmo. Para ler esse post, é necessário ter em mente uma coisa: Eu estou comentando experiências pessoais minhas com ateus e, portanto, as visões generalizadas expostas nesse tópico serão baseadas nessas experiências. Ou seja, toda e qualquer generalização que vocês lerão nesse post(É quase um consenso, eles pensam assim, etc) faz parte da minha experiência com ateus e não estou tentando aplicar uma leitura mental em você. Se você perceber uma crítica a determinado comportamento que eu digo ser comum em ateus e você é um ateu, isso não significa que você tem esse comportamento. Se você não possuir o comportamento criticado, simplesmente releve o comentário. Eu também não vim aqui dizer que o ateísmo é impossível, eu apenas vim dizer que é improvável.

Dada a introdução, podemos seguir para os meus comentários. É bastante comum ouvir ateus dizendo que são racionais ao acreditar no ateísmo(enquanto todos os outros que possuem crenças religiosas são irracionais), que só o ateísmo é justificado e que só o ateísmo faz sentido. Esses ateus normalmente dizem estar 100% certos da inexistência de Deus, por diversos motivos, seja ele o Paradoxo da Pedra, o Problema do Mal, ou qualquer outro tipo de argumento utilizado.

Naturalmente, a primeira reação do Teísta é perguntar quais as evidências dele para dizer que possui 100% de certeza. Ao apresentar técnicas já refutadas, como as citadas no parágrafo anterior, o ateu costuma dizer, então, que é apenas “muito improvável”, algo como “99% de chance” que Deus não exista, embora eu ainda não tenha encontrado sequer um ateu que me demonstrasse como chegou a essa conclusão sem passar por falácias ou por técnicas há muito tempo refutadas(normalmente o neo-ateu ataca um espantalho que ele mesmo criou e sai cantando vitória).

Qual, então, o meu objetivo hoje? Demonstrar que o ateísmo não só vem falhando em nos apresentar evidências – como eu já citei, estou referindo-me a minha própria experiência -, mas mostrar argumentos contra essa idéia tão difundida de que o ateísmo é mais provável, mostrando que, na realidade, ele é bastante improvável.

Vamos começar voltando no tempo, indo aos primórdios do Universo. Atualmente, a Teoria mais defendida entre os cosmólogos para o início do Universo é o Big-Bang, já que a tese de que o Universo é eterno já foi praticamente descartada por parte dos Cosmólogos por diversos motivos, que não tratarei aqui. O que é o Big-Bang? Segundo os ateístas, podemos simplificá-lo mais ou menos dessa forma: Uma explosão do nada com o nada, que gerou tudo o que há no Universo.

Já começamos com um problema. É impossível que uma explosão do nada com o nada gere alguma coisa? De modo algum. Contudo, olhe o quão esquisita essa idéia se torna, ao acreditarmos nela: Você passa a crer, também, que a qualquer momento um elefante pode se materializar no céu assim, do nada. Uma das primeiras perguntas que me faço quando me deparo com neo-ateus que defendem essa postura é me perguntar: Ora, se isso é um caos, porque surgiu um Universo e não um elefante? Ou uma barata? Ou um carrinho de controle remoto? Ou qualquer outra coisa? Isso seria igualmente possível.

Contudo, o nosso problema não para por aqui… Temos uma observação ainda pior para apresentar: Esse Universo veio, por acaso, com as condições perfeitas para a nossa vida. Todas as constantes Físicas foram dadas com o valor exatamente igual ao que era necessário para a Vida Terrestre. Nessa brincadeira, vão mais de 100 constantes (!). Não seria isso uma coincidência irreal? É possível? Sim. Mas é muito improvável! Lembrando que a idéia de que o Universo foi se adaptando com o tempo – algo como a Seleção Natural de Darwin aplicada no Universo – não faz sentido quando aplicada a essas constantes, já que elas não se modificam.

Já tá bastante improvável? Calma, não terminei! Agora nós chegamos à Terra, e para isso vou ignorar as “coincidências” cosmológicas para a  nossa existência – como por exemplo o choque da Lua na Terra, que ajudou a possibilitar a vida terrestre – e vou apenas para a nossa sopa primordial: A tão conhecida sopa que deu origem à primeira célula replicante, que deu origem a todas as demais.

Perguntei uma vez a um evolucionista e ele me disse que seriam necessários cerca de 1 milhão de átomos para formar a primeira célula replicante. Ou seja, segundo o ateísmo 1 milhão de átomos se juntaram aleatoriamente e na ordem exata(isso é muito importante, inclusive) e geraram a primeira vida. Observe isso e veja o quão improvável essa tese é! É possível? É, sim! Mas é como acreditar que você vai ganhar na mega sena umas 50 vezes seguidas, sei lá(esse número foi, sim, imaginário.  Não fiz nenhum cálculo. Pense apenas na improbabilidade disso acontecer).

Conclusão:

É isso. De fato, não fui muito a fundo em nenhum dos pontos, mas a idéia era apenas uma abordagem para mostrar que a idéia que os ateus apresentam de que o ateísmo é mais racional e mais provável que as outras visões não condiz com a realidade, embora isso não demonstre nem de longe que o ateísmo é falso. Como eu mesmo disse várias vezes ao longo do post: Isso é possível? Claro que sim! Mas é muito improvável.

Espero que eu tenha conseguido expressar-me bem. Qualquer dúvida ou refutação, podem fazê-lo nos comentários. Lembrando que trollagens serão simplesmente ignoradas e enviadas à lixeira. Quer trollar? Arranje outro lugar.

Written by catolicoresp

26/08/2011 at 15:38

Técnica: Deus não tem noção da relação custo-benefício

leave a comment »

Ir para [Índice de Técnicas/Truques Lógicos] – [Página Inicial]

Essa técnica é bastante engraçada sobretudo pelo seu próprio uso por parte dos neo-ateus que a usam como uma tentativa de ridicularizar o Teísta. Ela é bastante simples: O neo-ateu se depara com o  imenso tamanho do Universo e compara-o com a Terra, por exemplo, e diz que somos estupidamente pequenos. Dessa forma, Deus não teria noção da relação custo-benefício: O Universo seria muito grande para que apenas nós vivêssemos nele. A conversa pode vir mais ou menos dessa forma:

  • NEO-ATEU: Ah, esse seu Deus só pode ser um completo retardado. Pra que criar um Universo tão grande se nós só precisávamos do Planeta Terra para viver? Ele não tem noção da relação custo-benefício não?

Qual o problema com essa técnica? Simples: Para haver uma relação custo-benefício é necessário que haja custo. Qual o custo de Deus? Ele não gasta dinheiro, Ele não se sente cansado – pois não tem energia, já que o cansaço só faz sentido se houver gasto de energia -, Ele que criou a matéria… Ou seja, a crítica do neo-ateu não faz sentido, pois não há nenhum custo, para Deus, envolvido no processo de criação do Universo, fazendo com que a relação custo-benefício não tenha sentido  nenhum.

O máximo que já vi alguns neo-ateus refutarem se refere ao Gênesis quando há a afirmação de que Deus descansou no 7º dia, ou seja, ele poderia se cansar. A única coisa que precisa ser feita aqui é lembrá-lo que o Gênesis não precisa ser literal, conforme o neo-ateu deseja, mas eu não preciso adotar essa atitude simplesmente porque há um neo-ateu exigindo que eu o faça. Se o neo-ateu considera o Gênesis um livro literal, então ele(e aqueles que concordarem com ele) que arque com essas consequências, mas peço que me deixe fora dos pensamentos dele: Eu não tenho a obrigação de adotar a defesa do Gênesis literal, pois não defendo essa postura.

Conclusão:

O máximo efeito que essa técnica pode provar são as risadas, mas nada além disso. A relação custo-benefício só pode ocorrer se há algum custo. Se não houver custo, não pode haver uma relação custo-benefício, estando refutada a crítica do neo-ateu.

Written by catolicoresp

23/08/2011 at 15:48

Publicado em Técnica

Tagged with , , ,

Técnica: Coisas extraordinárias exigem evidências extraordinárias

with one comment

Ir para [Índice de Técnicas/Truques Lógicos] – [Página Inicial]

Essa técnica é uma das mais interessantes, uma vez que torna praticamente impossível convencer o neo-ateu da existência de Deus. Esse argumento baseia-se em uma premissa bastante simples, mas que gera alguns sérios problemas no debate: “Coisas extraordinárias exigem evidências extraordinárias”.

O erro dessa argumentação é bastante simples, mas nem sempre  é fácil de perceber. Façamo-nos uma pergunta: O que é extraordinário? Algo fora do comum, que nos surpreende, certo? Contudo, eu não me surpreendo nem um pouco com a possibilidade da existência de Deus, não me é algo extraordinário.

Acho que fui rápido demais, vou dar um exemplo para facilitar o entendimento. Lembre-se de sua avó tricotando. Muitas vezes aquilo pode ter lhe parecido algo incrível, extraordinário, mas era a coisa mais simples do mundo para a sua avó. Pergunta: Qual dos dois estava certo? Não acho que seja o caso de darmos razão a um deles e tirar do outro. Ora, a complexidade e “extraordinariedade”(se é que existe tal palavra) de algo dependem de um referencial.

Dessa forma, o Teísta pode considerar a hipótese da não-existência de Deus algo extraordinário, tal como o ateu pode achar que a hipótese da existência de Deus algo extraordinário. Qual dos dois está correto? Não creio que possamos colocar um dos dois como o certo da questão: O que é ou não extraordinário cabe a você mesmo decidir.

Além disso, é interessante lembrar que você não precisa de evidências extraordinárias para muitos eventos extraordinários. Eu acredito que, no mundo atual, ninguém(pelo menos não aqueles que frequentam esse blog) ache um vídeo algo extraordinário… Contudo, se eu te disser que cerca de 20 pessoas(se eu contei bem) sairam de dentro de um só carro, você acreditaria? A princípio, seria algo totalmente extraordinário, a meu ver. Agora um simples vídeo pode servir de evidência(se você acreditar na minha honestidade, obviamente)! Vejam esse vídeo. Não parece muito mais plausível? E não apresentei nada extraordinário.

Conclusão:

Acho que consegui explicar o que queria, e mostrar que tal argumento sobre evidências extraordinárias não é muito bom para se usar pelo simples motivo de que a definição de algo ser extraordinário ou não é totalmente relativa.

Written by catolicoresp

19/08/2011 at 20:26

Técnica: Teístas tem o ônus da prova, não(nunca) os ateus

with 22 comments

Ir para [Índice de Técnicas/Truques Lógicos] – [Página Inicial]

Não é raro que estejamos em um debate, sendo continuamente atacados pelos neo-ateus(geralmente com as técnicas bastante simplórias deles), e então decidimos que está passando da hora de eles justificarem o seu ateísmo, e pedimos evidências que suportem o ateísmo. E é nessa hora que eles mandam a pérola:

  • NEO-ATEU: O ônus da prova é dos Teístas, e não dos ateus! Vocês que fazem a alegação “Deus existe”, nós apenas apresentamos uma descrença nesse Deus.

O que eu acho mais curioso nessa técnica é que muitas vezes o Teísta nem estava alegando nada, ele simplesmente acreditava em Deus, e estava feliz com isso. O neo-ateu foi até ele e começou a atacar o Teísmo e quer ficar sem precisar argumentar dizendo que “é apenas uma descrença em Deus”, então não precisa de evidenciar nada?! Vejamos se isso faz sentido, analisando esses pontos:

(A) Ateus também apresentam uma crença.

(B) O ônus da prova é de qualquer um que faça uma alegação.

(C) Teísmo seria uma burrice, se não tivesse evidências?

(A) Ateus também apresentam uma crença.

A argumentação neo-ateísta se apresenta falha em um aspecto principal, a meu ver: Eles apresentam uma crença. O ateu acredita na não-existência de Deus. Usando a mesma lógica dos neo-ateus, podemos dizer que o Teísmo é a descrença nessa crença do Ateísmo! Isso retiraria o ônus da prova Teísta? Claro que não. Ou seja, a própria “descrença” ateísta esconde uma alegação: O Ateísmo alega que Deus não existe. Então eles precisam apresentar evidências para isso, e não simplesmente refutar os argumentos Teístas: A refutação de todos os argumentos teístas não leva ao ateísmo, leva ao agnosticismo.

(B) O ônus da prova é de qualquer um que faça uma alegação.

Como acabamos de ver, o ateísmo apresenta uma alegação: “Deus não existe”. E essa alegação necessita, também, de suas evidências, tal como a alegação de que Deus existe necessita das suas evidências.  Se não houver evidências para nenhum dos dois lados, então a postura correta é o agnosticismo, e não o ateísmo(Ausência de evidência não é evidência de ausência, embora possa vir a ser alguns casos).

(C) Teísmo seria uma burrice, se não tivesse evidências?

Esse aqui vai em particular para os neo-ateus que vivem dizendo que o ateísmo é a solução para os problemas do mundo e o teísmo é coisa de gente burra. Mesmo que não houvesse evidência alguma para o Teísmo¹, isso não implicaria que acreditar no Teísmo seja uma burrice ou irracionalidade. Se não temos evidências para nenhum dos dois lados – nem Teísmo, nem ateísmo -, então você poderia simplesmente escolher um dos dois lados de acordo com a sua vontade, já que você simplesmente não sabe, não faz a mínima idéia se Deus existe ou não.

Conclusão:

Não deixe que o neo-ateu se esquive com essa técnica, ele também tem uma alegação e ele precisa evidênciá-la. Se ele insistir em não apresentar argumentos para a crença ateísta dele, então a fé dele é, provavelmente, cega(não compreendo porque ele teria motivos para sua crença e não as apresentaria) e acho bastante justo que você mostre isso a ele, principalmente porque ele vai ficar irritadinho e provavelmente vai aplicar qualquer uma das técnicas já previstas no manual.

__________

Notas:

¹Apenas lembrando: Não estou aqui, ainda, para evidenciar o Teísmo! Não é o objetivo deste post.

Written by catolicoresp

16/08/2011 at 12:53

Publicado em Técnica

Tagged with , , , ,

Técnica: Desafio Divino

with 4 comments

Ir para [Índice de Técnicas/Truques Lógicos] – [Página Inicial]

Apresento hoje uma técnica já bastante conhecida: O Desafio Divino. Ela consiste em exigir algo de Deus e se Deus não agir, então Ele não existe. Para dar um exemplo mais concreto: O neo-ateu está com fome e, então, vira e diz: “Se Deus existir, Ele vai fazer uma pizza aparecer na minha frente agora!”. Vendo que a pizza não aparece, o neo-ateu quase surta(nunca entendi o porque disso) e chega à conclusão de que Deus não existe(ou a probabilidade de Deus existir é baixa).

Agora o erro aqui é bastante simples: O neo-ateu quer colocar Deus como o servo pessoal dele, que faz o que o neo-ateu bem deseja e quando ele deseja. A primeira pergunta é: O neo-ateu realmente se considera superior a Deus? O neo-ateu realmente crê que está em condições de mandar em um ser Onipotente, Onisciente e dono de tudo? Como falei, o erro é simples! O neo-ateu simplesmente inverte a relação de serventia tradicional no Teísmo/Catolicismo.

Ao observar um Teísta tradicional, ele terá plena consciência de que Deus é superior e nós somos seus servos, e não o contrário. Dessa forma, fica bastante simples perceber que Deus não está sujeito aos nossos caprichos, e nem aos caprichos de um neo-ateu qualquer. O neo-ateu é(ou deveria ser) servo de Deus, e não o contrário. Deus é superior ao neo-ateu(e a qualquer outro homem), então não tem sentido fazer uma exigência a Deus, e faz ainda menos sentido esperar que Deus obedeça a exigência dele.

Bastaria, então, que Deus decidisse, por seus motivos, que não queria realizar o pedido do neo-ateu. Assim sendo, a não-obediência de Deus significa que… Deus não obedeceu. E nada além disso. Pode ser que Deus não queira fazê-lo porque irá prejudicar o neo-ateu ao invés de ajudá-lo, porque interferiria no livre-arbítrio do neo-ateu, ou por um outro motivo qualquer que desconhecemos, mas uma coisa é fato: Deus pode, se quiser, desobedecer qualquer homem que lhe faça uma exigência.

Fiquei tentando pensar em um exemplo por mim mesmo, mas simplesmente não consegui pensar em algum bom o suficiente, dessa forma usarei o do Snowball, nesse post(que, inclusive, leva o mesmo nome que o meu):

Vamos ilustrar com um caso banal: imagine que existam dois coleguinhas de uns oito anos em um parquinho. Um deles não aceita de jeito nenhum que o outro acredite que têm um pai está vivo. Aí, para resolver a questão, ele diz: “Se seu pai existe, que ele venha aqui me dar uma surra então! Se ele é adulto, ele deve ser forte o bastante para isso! E aí, será que ele vai conseguir?”

Mas é claro que o pai teria razões morais suficientes para não aceitar esse desafio estúpido. Possivelmente ainda iria desprezá-lo por completo, por ser algo completamente imaturo.

Com esse exemplo, percebe-se claramente que Deus, assim como o pai da situação, pode ter suas razões para não aceitar o desafio.

Conclusão:

Essa técnica só pode vir de alguém bastante ingênuo ou desonesto. Ou é ingênua a ponto de não entender que Deus é superior ao homem, ou é desonesto a ponto de simplesmente fingir que esse fato não existe. No fim das contas, a solução é bastante simples em ambos os casos: Lembre o neo-ateu da hierarquia que coloca Deus como superior ao homem, e não o contrário. Assim, a técnica é derrubada facilmente.

Written by catolicoresp

12/08/2011 at 15:54

Publicado em Técnica

Tagged with , , , ,