catolicoresp

Apenas defendendo minha fé, e cético em relação aos ateus

Técnica: Teístas tem o ônus da prova, não(nunca) os ateus

with 22 comments

Ir para [Índice de Técnicas/Truques Lógicos] – [Página Inicial]

Não é raro que estejamos em um debate, sendo continuamente atacados pelos neo-ateus(geralmente com as técnicas bastante simplórias deles), e então decidimos que está passando da hora de eles justificarem o seu ateísmo, e pedimos evidências que suportem o ateísmo. E é nessa hora que eles mandam a pérola:

  • NEO-ATEU: O ônus da prova é dos Teístas, e não dos ateus! Vocês que fazem a alegação “Deus existe”, nós apenas apresentamos uma descrença nesse Deus.

O que eu acho mais curioso nessa técnica é que muitas vezes o Teísta nem estava alegando nada, ele simplesmente acreditava em Deus, e estava feliz com isso. O neo-ateu foi até ele e começou a atacar o Teísmo e quer ficar sem precisar argumentar dizendo que “é apenas uma descrença em Deus”, então não precisa de evidenciar nada?! Vejamos se isso faz sentido, analisando esses pontos:

(A) Ateus também apresentam uma crença.

(B) O ônus da prova é de qualquer um que faça uma alegação.

(C) Teísmo seria uma burrice, se não tivesse evidências?

(A) Ateus também apresentam uma crença.

A argumentação neo-ateísta se apresenta falha em um aspecto principal, a meu ver: Eles apresentam uma crença. O ateu acredita na não-existência de Deus. Usando a mesma lógica dos neo-ateus, podemos dizer que o Teísmo é a descrença nessa crença do Ateísmo! Isso retiraria o ônus da prova Teísta? Claro que não. Ou seja, a própria “descrença” ateísta esconde uma alegação: O Ateísmo alega que Deus não existe. Então eles precisam apresentar evidências para isso, e não simplesmente refutar os argumentos Teístas: A refutação de todos os argumentos teístas não leva ao ateísmo, leva ao agnosticismo.

(B) O ônus da prova é de qualquer um que faça uma alegação.

Como acabamos de ver, o ateísmo apresenta uma alegação: “Deus não existe”. E essa alegação necessita, também, de suas evidências, tal como a alegação de que Deus existe necessita das suas evidências.  Se não houver evidências para nenhum dos dois lados, então a postura correta é o agnosticismo, e não o ateísmo(Ausência de evidência não é evidência de ausência, embora possa vir a ser alguns casos).

(C) Teísmo seria uma burrice, se não tivesse evidências?

Esse aqui vai em particular para os neo-ateus que vivem dizendo que o ateísmo é a solução para os problemas do mundo e o teísmo é coisa de gente burra. Mesmo que não houvesse evidência alguma para o Teísmo¹, isso não implicaria que acreditar no Teísmo seja uma burrice ou irracionalidade. Se não temos evidências para nenhum dos dois lados – nem Teísmo, nem ateísmo -, então você poderia simplesmente escolher um dos dois lados de acordo com a sua vontade, já que você simplesmente não sabe, não faz a mínima idéia se Deus existe ou não.

Conclusão:

Não deixe que o neo-ateu se esquive com essa técnica, ele também tem uma alegação e ele precisa evidênciá-la. Se ele insistir em não apresentar argumentos para a crença ateísta dele, então a fé dele é, provavelmente, cega(não compreendo porque ele teria motivos para sua crença e não as apresentaria) e acho bastante justo que você mostre isso a ele, principalmente porque ele vai ficar irritadinho e provavelmente vai aplicar qualquer uma das técnicas já previstas no manual.

__________

Notas:

¹Apenas lembrando: Não estou aqui, ainda, para evidenciar o Teísmo! Não é o objetivo deste post.

Anúncios

Written by catolicoresp

16/08/2011 às 12:53

Publicado em Técnica

Tagged with , , , ,

22 Respostas

Subscribe to comments with RSS.

  1. Socorro!

    A coisa está chegando em um nível BIZONHO por parte dos crentes que dão um jeito de encaixar deus em tudo e tirar o c… da reta na hora de dar razão a fé cega.

    (A) Ateus também apresentam uma crença.

    Claro que não meu chapa. Não cremos em nada, e esse nada não requer provas, no máximo explicações.

    (B) O ônus da prova é de qualquer um que faça uma alegação.

    Claro, óbvio, lógico que não meu chapa. Você não vive em um mundo real ao dizer isso. Então quer dizer que se eu chegar no fórum dizendo que o banco roubou meu dinheiro sem apresentar uma prova se quer é válido? Acorde doutor. O ônus da prova SEMPRE foi de quem alega, com exceção de situações que a pessoa não tem DISCERNIMENTO para tal:

    Ex: fui atropelado e tenho de provar que foi tal pessoa. Muitas vezes a vítima não tem consciência para isso, então quem tem de provar que NÃO atropelou é o motorista. Tenho ULTRA-TOTAL certeza absoluta que você vai usar esse exemplo pro resto da sua vida…aposto pelo seu deus :). Me agradeça certo?

    Estou pasmo depois dessa. O nível dos crentes está chegando no inferno rsss

    (C) Teísmo seria uma burrice, se não tivesse evidências?

    Concordo que o termo está chulo. Substituiria por ingenuidade. Acreditar em algo sem nenhuma prova é sim ingenuidade.

    João

    21/08/2011 at 11:11

    • Socorro digo eu, uma loucura após a outra!

      (A) Ateus também apresentam uma crença.

      Claro que não meu chapa. Não cremos em nada, e esse nada não requer provas, no máximo explicações.

      Uhn… Não? Tem certeza? Seguinte: Eu creio que existe Deus. Você crê que inexiste Deus. Ambas são crenças. Acho que quem está tentando inventar desculpas para ter uma fé cega é você, afinal eu nunca me neguei a apresentar evidências, e seu primeiro passo é dizer que vocês não precisam de provas(“esse nada não requer provas”). Quem está ocultando uma fé cega,então?

      (B) O ônus da prova é de qualquer um que faça uma alegação.
      Meu segundo ponto. Eu ia até pedir pra ele refutar o que eu digo nesse ponto, mas não será necessário porque o João não está de acordo nem consigo mesmo! Vejam bem o que ele diz:

      “Claro, óbvio, lógico que não meu chapa” e depois diz “O ônus da prova SEMPRE foi de quem alega”. Ou seja, eu estou errado ao dizer que o ônus da prova é de quem alega, mas logo depois ele diz que o ônus da prova SEMPRE foi de quem alega. No final das contas, ele não está concordando com ele mesmo… Não tem como ele esperar que eu concorde. Até porque o exemplo que ele apresenta(vejam a seguir) não REFUTA o que eu disse, ele SUPORTA!

      Então quer dizer que se eu chegar no fórum dizendo que o banco roubou meu dinheiro sem apresentar uma prova se quer é válido?
      EXATAMENTE! Se alguém faz uma alegação e não apresenta uma prova sequer, então não é uma alegação que deve ser tomada como verdade. Em vez de derrubar o meu ponto de vista, ele apenas reforçou-o. Muito obrigado.

      Sobre o exemplo da inconsciência, não faz sentido aplicá-lo nesse debate, uma vez que ninguém é ateu ou teísta inconscientemente.

      Estou pasmo depois dessa. O nível dos crentes está chegando no inferno rsss
      Eu também estou pasmo. O seu nível chegou ao ponto de não saber ler uma frase simples e depois ainda se contradizer em um único parágrafo! Volte pra 1ª série, tenha as aulas básicas de português novamente e volte aqui pra gente poder conversar, senão complica.

      (C) Teísmo seria uma burrice, se não tivesse evidências?

      Concordo que o termo está chulo. Substituiria por ingenuidade. Acreditar em algo sem nenhuma prova é sim ingenuidade.

      Aí sim você está certo. Mas a maioria dos neo-ateus com quem me encontrei apresentam a idéia de que seria burrice e não ingenuidade.

      catolicoresp

      21/08/2011 at 12:15

  2. Amigo, se me permite mas você está cometendo três erros nesse post:

    1) O ônus da prova é de qualquer um que faça uma alegação.

    Seria uma verdadeira bagunça nos tribunais se isso fosse verdade. É preciso muito cuidado ao definir oq é alegação. No seu post você define que um “sim” ou “não” seja uma.

    Ex: A atendente de qualquer loja me chamou de macaco (suponha que sou negro) e vou processa-lá. Chego na gerência e digo:

    A atendente fez isso e isso comigo.
    O gerente diz: você tem provas?
    Eu digo: pergunte a ela.
    O gerente pergunta a atendente: oq você fez?
    Ela diz: nada…fui super educada com ele.
    O gerente diz: prove.

    Esse exemplo pode ser aplicado as mais diversas situações, onde o acusado ao responder “não” cabe a ele provar. Isso absolutamente não existe.

    2) Se não houver evidências para nenhum dos dois lados, então a postura correta é o agnosticismo.

    Então todo mundo deveria ser agnostico. Por que há de se concordar e isso precisa de honestidade intelectual: NÃO EXISTE NENHUMA EVIDÊNCIA QUE ALGUM DEUS EXISTA. Podes vir com argumento cosmológico, ontológico, inteligência absoluta, ajuste fino, eternidade, outro plano, etc…

    Tudo é hipótese, questão de acreditar, de fé e não evidência. Quem diz ser evidência não é honesto.

    3) A postura correta é o agnosticismo, e não o ateísmo.

    Me desculpe mas quem é você para dizer o que é certo ou errado? Além de que, mais uma bendita vez, confunde-se Crença com Saber.

    Teísmo e Ateísmo se referem ao que você acredita.
    Agnosticismo e Gnosticismo se referen ao que você sabe.

    Logo acreditar não é excludente do saber.

    Esse post está muito fraco semântica/filosoficamente.

    Rodrigo

    23/08/2011 at 09:27

    • Ok, Rodrigo, vamos por partes.
      Amigo, se me permite mas você está cometendo três erros nesse post:

      1) O ônus da prova é de qualquer um que faça uma alegação.

      Seria uma verdadeira bagunça nos tribunais se isso fosse verdade.

      E não é verdade? Ou os tribunais vão aceitando o que as pessoas dizem, simplesmente? Outra coisa que é importante frisar: Uma discussão filosófica(ou mesmo científica) é muito diferente de um tribunal. Exemplo: Se eu digo que a teoria atômica está errada, cabe a quem demonstrar esse erro? Obviamente, a mim. O cara bolou a teoria atômica, evidenciou-a e eu fui lá e neguei-a, logo sou eu quem tem que provar que a tese dele está errada. E não ele demonstrar que ela está certa.

      A grande diferença de tribunal e dessas discussões é bastante simples: Lá você está sendo acusado, ou seja, alguém disse que você cometeu algum crime. Vou usar até o seu exemplo:

      É preciso muito cuidado ao definir oq é alegação. No seu post você define que um “sim” ou “não” seja uma.

      Ex: A atendente de qualquer loja me chamou de macaco (suponha que sou negro) e vou processa-lá. Chego na gerência e digo:

      A atendente fez isso e isso comigo.
      O gerente diz: você tem provas?
      Eu digo: pergunte a ela.
      O gerente pergunta a atendente: oq você fez?
      Ela diz: nada…fui super educada com ele.
      O gerente diz: prove.

      Esse exemplo pode ser aplicado as mais diversas situações, onde o acusado ao responder “não” cabe a ele provar. Isso absolutamente não existe.

      Qual a diferença aqui? A mulher foi acusada por você de ter lhe chamado de macaco – um crime. O gerente pergunta a ela se ela o fez, e ela diz que não(provavelmente ela diria isso, de qualquer forma). Porque aqui ela não precisaria provar que foi super educada? Porque ela não fez propriamente uma alegação, foi-lhe feita uma pergunta e ela a respondeu somente. A alegação foi mesmo feita pelo nosso colega que disse que ela o chamou de macaco.

      Fazendo um paralelo, podemos até piorar a situação do ateísmo. O crente tá ali, sentadinho na dele crendo em Deus. O ateu vem: “SEU DEUS NÃO EXISTE”. E, observemos, muitas vezes é exatamente isso o que acontece: O crente estava ali, quieto, e o ateu chegou e acusou-o de mentira. Logo, num tribunal, o ateu teria que mostrar que o crente é de fato mentiroso: Ele que surgiu com a alegação de que ele mente. E olhe que os Teístas ainda se dão o trabalho de apresentar as suas evidências para a existência de Deus. Porque? Simples: Porque o tribunal é extremamente diferente de uma discussão filosófica. Se você não consegue entender isso, a conversa vai ficar bastante complicada. Se aplicarmos a regra do tribunal, o ateu fez a alegação e o Teísta, então, não precisaria evidenciar nada.

      Contudo, eles evidenciam devido a mais um ponto que considero importante comentar: Você responde, no tribunal, por ter sido educado com um cliente? Claro que não. Portanto, a situação só passa a ser definida no tribunal se houver a existência do racismo(estou usando o exemplo), então só faz sentido exigir provas de quem faz a acusação, já que a mulher nunca teria ido parar no tribunal sem a acusação feita. Não faz sentido levar alguém no tribunal dizendo que ela foi educada.

      Contudo, em uma discussão filosófica, a coisa é bastante diferente. Quando eu afirmo algo, eu devo prová-lo para que isso seja válido – ou ao menos evidenciá-lo. Não há algo como: “A discussão só vai ser iniciada se ocorrer determinado comportamento”. Isso é algo que só ocorre no tribunal. Em uma discussão Filosófica, suas alegações vão sempre precisar de serem demonstradas, se levarem a uma discussão. Mas nem todos os seus atos lhe levam ao tribunal, e é por isso que você não precisa sair por aí provando que “foi educado”(ainda usando o exemplo).

      2) Se não houver evidências para nenhum dos dois lados, então a postura correta é o agnosticismo.

      Então todo mundo deveria ser agnostico. Por que há de se concordar e isso precisa de honestidade intelectual: NÃO EXISTE NENHUMA EVIDÊNCIA QUE ALGUM DEUS EXISTA. Podes vir com argumento cosmológico, ontológico, inteligência absoluta, ajuste fino, eternidade, outro plano, etc…

      Tudo é hipótese, questão de acreditar, de fé e não evidência. Quem diz ser evidência não é honesto.

      Não existe? E descarta o argumento cosmológico dizendo que é uma simples “hipótese”, que é questão de “fé”, dizer que isso é evidência é “desonestidade”. Desonesto é um cara que demonstra toda essa loucura quando fala, colega. De fato, é uma hipótese. O Argumento Cosmológico de Kalam nos leva a uma hipótese: A existência de Deus. O problema, é que o argumento cosmológico não é uma pura e simples apresentação da hipótese – conforme você tenta trazê-lo -, mas baseia-se em dados científicos que são bastante evidenciados e algumas premissas que eu considero até difíceis de contrariar – “Tudo que tem início, tem causa”.

      De fato, o Argumento Cosmológico nos apresenta uma hipótese. Mas a Teoria da evolução é uma hipótese, a Teoria Atômica é uma hipótese. Só que, quando alguém acredita na Teoria da Evolução ou na Teoria Atômica, você chama de gênio, cientista. Já no Argumento Cosmológico, chama-se de desonesto. Vá entender. É bem verdade que a Teoria da Evolução e a Teoria atômica possuem evidências para si, mas o argumento cosmológico também possui, na própria forma que ele é apresentado(premissas, sustentação das premissas e conclusão a partir das premissas). Todos eles são hipóteses baseadas em evidências, mas só um deles apresenta desonestidade. Sabe do que eu chamo isso? Uma manipulação um tanto bobinha, na qual eu não vou cair.

      Além disso, você reclama de fé, que é só fé, e lá vai um bando de besteira principalmente porque foram apresentadas evidências – logo, não é fé. Sem contar que isso não resolve o problema nem de longe, já que o ateísmo é fé, quer você queira, quer não. Para acreditar na Teoria da Evolução é necessário ter fé(Apenas para lembrar: Eu sou evolucionista), já que ela não é provada. Ela é simplesmente evidenciada, tal como o é o Argumento Cosmológico.

      3) A postura correta é o agnosticismo, e não o ateísmo.

      Me desculpe mas quem é você para dizer o que é certo ou errado?

      Bom, desculpe se você acha que, quando você não tem evidências nem contra nem a favor de algo você deve deduzir que isso é falso. Se você realmente segue essa linha de pensamento, temos uma discussão bastante problemática. Se eu te digo que choveu no Zimbábue ontem e te faltam evidências para ambos os lados – vamos supor que você não possa fazer uma pesquisa e nem esteve no Zimbábue ontem -, a sua conclusão é que não choveu no Zimbábue? Lógico, você pode até seguir essa linha de pensamento, mas não me parece a mais sensata.

      Teísmo e Ateísmo se referem ao que você acredita.
      Agnosticismo e Gnosticismo se referen ao que você sabe.

      Logo acreditar não é excludente do saber.

      Esse post está muito fraco semântica/filosoficamente.

      Colega, vamos com calma… Defina um Agnóstico.

      Wikipédia nos ajude: “Alguém que admita ser impossível ter o conhecimento objetivo sobre a questão — portanto agnóstico — pode com base nisso não ver motivos para crer em qualquer deus“. Ou seja, ele diz que não tem evidências suficientes/não sabe se há um Deus. Isso me parece diretamente conflitante – e até um meio termo – com Teísmo e Ateísmo, já que o Teísmo é a crença em Deus e o Ateísmo a negação de Deus.

      Indo mais além: “Desde essa época o termo “agnóstico” também tem sido usado para descrever aquele que não acredita que essa questão seja intrinsecamente incognoscível, mas por outro lado crê que as evidências pró e contra Deus não são ainda conclusivas, ficando pragmático sobre o assunto.”

      Ou seja, pela sua tese todos nós teríamos de ser agnósticos, uma vez que nenhum de nós apresenta – Se estivermos sendo honestos, claro – certeza absoluta da existência ou inexistência de Deus, mas no meu caso sou Teísta. Qual a conclusão que se chega, baseando-nos que ao menos não apresento uma fé cega? Que eu acho que as evidências são mais conclusivas para o lado do Teísmo. Mas para ser agnóstico eu preciso dizer que “as evidências pró e contra Deus não são ainda conclusivas”, então como eu posso ser Teísta? Não dá pra ser Teísta ou Ateísta e Agnóstico ao mesmo tempo, mas com sua tese as pessoas precisam ser os dois ao mesmo tempo. [Observação importante: Lógico que é possível chegar à conclusão de que as provas não são conclusivas e adotar o Teísmo ou Ateísmo, mas não é um comportamento esperado, já que se baseia pura e simplesmente na fé cega – E não é em fé cega que eu baseio a minha crença, embora haja a fé(mas isso até o ateísmo possui) pelo simples motivo de que Deus não é 100% provado. Quando digo que “não é possível ser os dois ao mesmo tempo(Teísta e agnóstico/ateísta e agnóstico)”, me refiro a isso racionalmente, sem uso da fé cega. Alguns ateus gostam de reclamar: “Ah, mas eu me recuso a crer por fé, mesmo que seja pouca”. Essa reclamação não faz sentido, já que não há provas 100% concretas de que Deus não existe e, então, para sustentar a sua tese, o ateu teria de largar o ateísmo também(para não ser auto-contraditório) e ater-se ao agnosticismo, e começar a questionar a Teoria da Evolução e a Teoria Atômica atual, pois não são teses 100% comprovadas e para crer nelas é necessário que haja um pouco de fé. Na verdade, a vida sem nem um pouco de fé é um tremendo absurdo – pretendo fazer um post sobre isso]

      Pra finalizar, eu agradeceria que você parasse de usar espantalhos. Eu nunca disse que “Acreditar é excludente do saber”. Você pode, sim, na falta de evidências a favor ou contra ser um ateu, mas seria como o exemplo que dei acima sobre o Zimbábue: Uma conclusão baseada em fé.

      Esse post está muito fraco semântica/filosoficamente.

      Bom, pelo que apresentei acho que os leitores podem perceber que o nosso colega só acha isso porque ele não tem conhecimento semântico e o conhecimento filosófico dele também não é muito amplo, como pode-se perceber no número “2” dos comentários dele. E, óbvio, ele não podia deixar de mostrar um problema sério com o método científico(também no número 2), conforme é habitual entre neo-ateus.

      catolicoresp

      23/08/2011 at 14:19

  3. Percebi que é bem complicado debater com você. És do tipo que 2+2 são 3 e ponto final. Daqueles com visão de animal de carga, só uma direção.

    Você não sabe o dia-a-dia do Direito, da vida real. E olhe que o Direito é extremamente mutável, mas não faz mágica. E você quer fazer mágica para validar seu argumento de que quem faz uma alegação contrária a uma já dita cabe o ônus da prova. Procure se informar, estude, faz bem. Pare de querer mudar as verdades para dar razão ao seu deus.

    Evolução é uma hipótese? Depois dessa fica realmente muitíssimo complicado continuar.

    O argumento cosmológico não possui NENHUMA evidência. Se você diz que possue, não sabes o que é evidência. Outro ponto que não dá para prosseguir.

    Você não sabe a definição de Agnóstico. Escreveu 3 longos parágrafos fora das definições padrão. Acreditar não é excludente do saber. Ponto final, não tem o que discordar.

    Continue com sua questão de fé: acreditando em algo sem provas, pela simples necessidade de acreditar que aquilo seja verdade, frente a falta de evidências. Isso é muito salutar.

    Rodrigo

    25/08/2011 at 08:57

    • Bom, definitivamente, um troll. Acho que o Rodrigo é mais um que está lutando para não ter mais espaço no blog.

      Percebi que é bem complicado debater com você. És do tipo que 2+2 são 3 e ponto final. Daqueles com visão de animal de carga, só uma direção.

      Me xinga, mas não volta a refutar nenhuma das minhas ponderações.

      Você não sabe o dia-a-dia do Direito, da vida real. E olhe que o Direito é extremamente mutável, mas não faz mágica. E você quer fazer mágica para validar seu argumento de que quem faz uma alegação contrária a uma já dita cabe o ônus da prova. Procure se informar, estude, faz bem. Pare de querer mudar as verdades para dar razão ao seu deus.

      Colega, você que é um tremendo tosco. Você simplesmente não consegue diferenciar uma discussão filosófica de um tribunal. Não entendo como você consegue fazer essa confusão tão simples: Discussões filosóficas e tribunais são coisas completamente distintas. Se você realmente não consegue entender isso, recomendo que você estude um pouco(digo um pouquinho só, mesmo) de Filosofia. Aí a distinção vai aparecer totalmente evidente para você.

      Evolução é uma hipótese? Depois dessa fica realmente muitíssimo complicado continuar.
      Se você não compreende isso, uma coisa simples – que até Evolucionistas honestos falam – então fica muitíssimo complicado continuar, de fato.

      O argumento cosmológico não possui NENHUMA evidência. Se você diz que possue, não sabes o que é evidência. Outro ponto que não dá para prosseguir.

      Engraçado. O argumento tem premissas, segue toda a lógica e tudo o que se espera de um argumento, contudo ele é inválido. Porque? Ora, porque o Rodrigo disse que sim e pronto. Ele não precisa refutar o argumento: Ele só precisa afirmar que ele não é evidência e que está errado. Isso se chama desonestidade, e não tolerarei isso por aqui.

      Você não sabe a definição de Agnóstico. Escreveu 3 longos parágrafos fora das definições padrão. Acreditar não é excludente do saber. Ponto final, não tem o que discordar.

      Eu nunca disse que acreditar não é excludente do saber. Você é que não sabe ler. Eu mostrei porque não dá pra usar a sua forma de definição, e você não refutou o que eu disse. Mais uma vez, apenas afirma que eu estou errado, mas nem de longe refuta meus argumentos.

      Continue com sua questão de fé: acreditando em algo sem provas, pela simples necessidade de acreditar que aquilo seja verdade, frente a falta de evidências. Isso é muito salutar.

      Ele diz que não temos provas, apresentamos as provas, ele apenas as descarta – sem refutá-las.
      Usa a típica técnica “Ateus são fortes, Teístas são fracos”, apresentando a crença em Deus como uma necessidade(Ver: http://quebrandooencantodoneoateismo.wordpress.com/2010/08/19/tecnica-nos-somos-fortes-voces-sao-fracos/)

      Acho desnecessário comentar mais. Caso tenha alguma ponderação que passe da sua ladainha “Você está errado porque eu quero” e passe a apresentar argumentos me mostrando porque estou errado, sinta-se livre a comentar. Caso contrário, peço que não volte aqui. Não estou tolerando nenhum tipo de trollagem.

      catolicoresp

      25/08/2011 at 19:15

  4. Queria saber pq não publicou meu comentário? Honestidade gigante por aqui….néééé???

    João

    30/08/2011 at 15:50

  5. O argumento até tem uma certa lógica:

    Afirmar que Odin, Ribomon, Osiris ou Jeová não existem absolutamente é uma questão de fé.

    Não me parece que haja um conjunto absoluto de evidências que tornem absolutamente impossível a existência de qualquer um deles. Aliás a ciência é sempre provisória. Se for demonstrado que Thor é filho de Odin e por aí fora temos de dar o braço a torcer e aceitar Thor e Odin. Idem para Brahama e os seus seis braços.

    Pelo que uma posição irredutível que afirma que os deuses não existem absolutamente é tão do domínio da fé como a crença num ou em todos.

    Parece que o máximo que se pode afirmar é que, com o conhecimento atual, Odin, Oxalá, Júpiter, Osíris, Jeová e outras divindades não parecem existir. Podem influenciar o pensamento humano, serem importantes na cultura mas, parece, que não há qualquer evidência da sua existência.

    A não ser, é claro, que surjam evidências da existência.

    O que é sempre possível.

    joao melo de sousa

    12/09/2011 at 23:18

    • Uhn… Concordo com você, até aqui:
      Parece que o máximo que se pode afirmar é que, com o conhecimento atual, Odin, Oxalá, Júpiter, Osíris, Jeová e outras divindades não parecem existir. Podem influenciar o pensamento humano, serem importantes na cultura mas, parece, que não há qualquer evidência da sua existência.”

      Que há um erro crasso. Procure o Argumento Cosmológico de Kalam e o Argumento da Moral(da existência da moral) e você compreenderá do que estou falando. Após ler isso, espero que sua visão(“não há evidências”) seja modificada. No mais, recomendo também a leitura desse texto do Snowball: http://quebrandooencantodoneoateismo.wordpress.com/2010/09/11/tecnica-nao-ha-evidencias/

      Espero ter ajudado. Abraço. Obrigado pela participação!

      catolicoresp

      13/09/2011 at 06:45

  6. O texto do snowball não resolve problema algum.

    Continuo bastante céptico em relação a Gamesh.

    Poderia deixar de o ser se Gamesh se manifestasse direta ou indiretamente, se fosse possível atribuir-lhe efeitos. Eu sei que milhares de milhões de pessoas afirmam que Gamesh é real, que sentem efeitos causados por ela, que lhes influencia positivamente a vida e que até estariam (muitos) dispostos a morrer por Gamesh. Possivelmente muita gente afirma que há fenômenos sobrenaturais atribuidos a Gamesh.

    Claro que se aparecerem fenômenos melhor explicados pela existência de Gamesh que poroutra causa qualquer a coisa muda de figura.

    O argumento é uma variante elaborada do eu não posso provar que existe, tu não podes provar que não existe logo existe.

    Quem quiser defender a existência de Gamesh é que tem de indicar os procedimentos e evidências que nos podem levar a aceitar a existência de Gamesh.

    Se os procedimentos e técnicas confirmarem Gamesh ….temos Gamesh !

    Até lá Gamesh é uma hipótese não testada.

    joao melo de sousa

    13/09/2011 at 08:33

    • O texto do snowball não resolve problema algum.

      Continuo bastante céptico em relação a Gamesh.

      Eu não disse que o texto do Snowball resolveria nada, eu disse que ele seria interessante para ver se você está sendo sensato e se vale a pena continuar a conversa, pois se você espera evidências empíricas e testáveis em laboratórios, não vai encontrá-las. Assim sendo, isso já pouparia nós dois de uma discussão.

      Poderia deixar de o ser se Gamesh se manifestasse direta ou indiretamente, se fosse possível atribuir-lhe efeitos. Eu sei que milhares de milhões de pessoas afirmam que Gamesh é real, que sentem efeitos causados por ela, que lhes influencia positivamente a vida e que até estariam (muitos) dispostos a morrer por Gamesh. Possivelmente muita gente afirma que há fenômenos sobrenaturais atribuidos a Gamesh.

      Ok, eu também sei. E daí?

      Claro que se aparecerem fenômenos melhor explicados pela existência de Gamesh que poroutra causa qualquer a coisa muda de figura.

      Depende do que você espera encontrar. Se espera poder testar eventos miraculosos, por exemplo, sugiro que você seja internado em um hospício, uma vez que milagres são por definição não-reproduzíveis(afinal, se forem reproduzíveis então não seriam milagres, não é? Seriam apenas a natureza conforme ela normalmente age).

      O argumento é uma variante elaborada do eu não posso provar que existe, tu não podes provar que não existe logo existe.
      Não, não é mesmo. Em primeiro lugar, porque eu mesmo digo não ter 100% de certeza sobre a existência de Deus, o que já demonstra que não uso a lógica que você criou. Em segundo lugar, porque o argumento Morais, Argumento Cosmológico de Kalam, Ajuste Fino, etc, não chegam nem perto dessa lógica que você veio expor aqui. Te peço, então, que pare de atacar espantalhos e comece a atacar os meus argumentos(também não ataque a minha pessoa, por favor). Não adianta você refutar uma argumentação que eu nunca apresentei, pois isso não refuta em nada a argumentação apresentada.

      Quem quiser defender a existência de Gamesh é que tem de indicar os procedimentos e evidências que nos podem levar a aceitar a existência de Gamesh.
      Engraçado, você diz claramente no começo do post: “O texto do snowball não resolve problema algum.”, mas começo a pensar se você realmente o leu, uma vez que o Snowball cita esse seu comportamento. Dessa forma, vou fazer uma simples pergunta: Que tipo de evidência você espera? Se for uma evidência empírica, testável em laboratório(é o que entendi do que você escreveu, corrija-me se eu estiver errado), você simplesmente cometeu uma besteira gigante, uma vez que, se Deus existe Ele é imaterial e, portanto, não pode ser testado empiricamente(o famoso erro da Inversão de Planos). Dessa forma, você só está pedindo uma coisa impossível: Esse é um excelente jeito de blindar uma fé cega no ateísmo.

      Quem quiser defender a existência de Gamesh é que tem de indicar os procedimentos e evidências que nos podem levar a aceitar a existência de Gamesh.
      E quem nega sua existência não deve? Então se eu disser que você não existe e na verdade é um mero programa de computador então o sensato é acreditar em mim, pois não temos aqui nenhuma evidência de que você existe que não sejam seus textos, e isso faz com que você possa ser um computador. Segundo a sua lógica, o mais inteligente é ignorar a evidência do teu texto e seguir a minha linha de raciocínio que afirma que você não existe. Isso te parece sensato?

      Quem quiser defender a existência de Gamesh é que tem de indicar os procedimentos e evidências que nos podem levar a aceitar a existência de Gamesh.

      Mais uma vez, Inversão de Planos. Isso ainda não resolve o problema do ateísmo: Mesmo que não houvesse evidência alguma de nenhum Deus – o que já provamos ser falso no outro comentário -, então a conclusão que se segue não é o ateísmo… É o agnosticismo. Isso mesmo que não houvesse evidência NENHUMA.

      Até lá Gamesh é uma hipótese não testada.
      Quer colocar Deus em um laboratório? Um ser imaterial? Boa sorte. Se você pelo menos usasse um pouquinho de raciocínio, já teria percebido que exigir que Deus fosse colocado em um laboratório para ser testado é completamente impossível e de uma tolice sem tamanho.

      catolicoresp

      13/09/2011 at 14:11

      • “Que tipo de evidência você espera?”

        Quem alega que Ganesh existe é que tem de apresentar o procedimento e o método para demonstrar que é muito mais provável que Gamesh exista que não exista.

        Não precisa de ser em laboratório nem manipulável.

        Eu não quero afirmar que Gamesh ou outro Deus qualquer não existe. Apenas discuto o ônus da prova.

        Quem afirma que existe um entidade assim e assado tem de demonstrar de alguma forma a sua existência. A forma que utiliza para a demonstração é responsabilidade de quem alega e tem de ser aceite senão caímos na teoria da conspiração.

        Eu afirmar que há habitantes na lua, inteligentes e grandes construtores, mas cuja existência e construções são invisíveis, imateriais, que se encontram noutra dimensão fora deste universo, num plano metafisico e que não são testáveis pela ciência porque estão para lá da ciência é pouco mais ou menos treta.

        Mesmo que existam como não interagem connosco podemos ignorar a sua existência e das suas construções. Muito menos afirmar que sabemos o que querem de nós ou o que lhes agrada ou desagrada.

        Não é ?

        joao melo de sousa

        13/09/2011 at 15:05

      • “Que tipo de evidência você espera?”

        Quem alega que Ganesh existe é que tem de apresentar o procedimento e o método para demonstrar que é muito mais provável que Gamesh exista que não exista.

        Já falei: Argumento Cosmológico de Kalam, Argumento moral, ajuste fino… Nenhuma refutação de sua parte.

        Não precisa de ser em laboratório nem manipulável.

        Eu não quero afirmar que Gamesh ou outro Deus qualquer não existe. Apenas discuto o ônus da prova.

        Quem afirma que existe um entidade assim e assado tem de demonstrar de alguma forma a sua existência. A forma que utiliza para a demonstração é responsabilidade de quem alega e tem de ser aceite senão caímos na teoria da conspiração.

        Desculpe, mas não entendi a parte da Teoria da Conspiração. Você segue alegando que “quem afirma que existe uma entidade tem de demonstrar de alguma forma a sua existência”, mas eu nunca discordei disso. Eu apenas discordo de que somente os Teístas tem o ônus da prova. Atenção a isso: Eu nunca disse que os Teístas não possuem o ônus da prova. Eu disse que os ateus também tem o ônus da prova.

        Eu afirmar que há habitantes na lua, inteligentes e grandes construtores, mas cuja existência e construções são invisíveis, imateriais, que se encontram noutra dimensão fora deste universo, num plano metafisico e que não são testáveis pela ciência porque estão para lá da ciência é pouco mais ou menos treta.

        Você já mostrou um completo paradoxo na sua afirmação, uma vez que afirma que eles “estão na lua” e estão fora desse Universo. Se eles estão na lua, não podem estar fora desse Universo, pois a lua é parte integrante deste Universo. Ou seja, sua tentativa de descreditar o plano Metafísico falhou miseravelmente. Além disso, você fala de “grandes construções” imateriais? Como isso funciona? Até onde sei, construções precisam ser materiais. Nenhuma objeção quanto à Inteligência… Quer fazer uma comparação? Pense melhor sobre ela, ou vai falar uma besteira sem tamanho.

        Mesmo que existam como não interagem connosco podemos ignorar a sua existência e das suas construções. Muito menos afirmar que sabemos o que querem de nós ou o que lhes agrada ou desagrada.

        Não é ?
        Seria essa uma tentativa de comparação de Deus com os seus seres lunáticos(oriundos da Lua)? Porque se for o caso, já demonstramos que essa comparação falha miseravelmente. Senão, por favor me explique qual é a dos seres alienígenas.
        Bom, como você já disse que seu objetivo é só discutir o ônus da prova, não vou abrir muito o leque para discutir a interação de Deus com o homem.

        catolicoresp

        13/09/2011 at 17:52

  7. Ora parece que concordamos os dois. Afirmar que os deuses existem absolutamente ou que não existem absolutamente é uma questão de fé.

    Eu posso sempre continuar a ajuntar argumentos quanto aos meus habitantes na lua para os tornar possíveis e invulneráveis a qualquer teste e até à lógica. Estão e não estão na lua e essa caractristica de estar e não estar é necessária aos lunáticos e por aí fora…

    Os argumentos cosmológico e a hipótese do ajuste fino valem o que valem.

    Há razões lógicas para crer que haja vida inteligente no universo. Teoria da evolução + ziliões de planetas.

    Não prova é que ela exista.

    Sugerir é diferente de afirmar.

    Parece possível que haja vida inteligente e deuses.

    Faltam é as evidências….

    O máximo que se poderá afirmar é que poderá ter existido uma causa inicial do universo (uma partícula ? a energia? um conjunto de partículas? será a energia eterna ? ) assim como seres inteligentes fora da terra.

    Ou não.

    Portanto quanto a ET´s e deuses é o máximo que se pode afirmar: não sabemos mas até poderão ser possíveis.

    Ou não.

    Tudo o resto é palpite.

    joao melo de sousa

    13/09/2011 at 18:28

    • Ora parece que concordamos os dois. Afirmar que os deuses existem absolutamente ou que não existem absolutamente é uma questão de fé.
      Ok, concordamos. Não preciso comentar aqui.

      Eu posso sempre continuar a ajuntar argumentos quanto aos meus habitantes na lua para os tornar possíveis e invulneráveis a qualquer teste e até à lógica. Estão e não estão na lua e essa caractristica de estar e não estar é necessária aos lunáticos e por aí fora…

      Pode sim. E o que diabos isso tem a ver com o nosso debate? Ou ainda mais: O que seus lunáticos tem a ver com a questão Ateísmo/Teísmo?

      Os argumentos cosmológico e a hipótese do ajuste fino valem o que valem.

      Há razões lógicas para crer que haja vida inteligente no universo. Teoria da evolução + ziliões de planetas.

      Não prova é que ela exista.

      Sugerir é diferente de afirmar.

      Parece possível que haja vida inteligente e deuses.

      Faltam é as evidências….

      Olhe o tamanho da desonestidade dessa criatura: Primeiramente ele coloca Deus e Alienígenas como hipóteses de igual valor, como se fossem equivalentes. Coisas que em suas próprias naturezas, não o são.
      Depois disso, temos o veredicto: Ele demonstra que conhece os Argumentos Cosmológico de Kalam e do Ajuste Fino, e que eles possuem seu valor… Para algumas linhas depois dizer que “não há evidências”. AH! Espera… ou você conhece os argumentos citados, ou você acha que não há evidências. Dos dois somente um deles pode ser verdadeiro.
      Obviamente, você pode considerar tais argumentos insuficientes – a relevância de um argumento varia de pessoa para pessoa -, mas daí para dizer que “não há evidências” é um passo um tanto largo, não? Mais coerência, João.

      O máximo que se poderá afirmar é que poderá ter existido uma causa inicial do universo (uma partícula ? a energia? um conjunto de partículas? será a energia eterna ? ) assim como seres inteligentes fora da terra.
      Uma partícula, Energia, um conjunto de partículas ou a tal “energia eterna” são materiais, ou seja, parte do próprio Universo. Não podem ter dado origem ao Universo(algo interno ao Universo não pode ter originado o Universo. É como dizer que meu pâncreas me criou). Ao que tudo indica, nosso Universo teve um início… E, portanto, há algo além do Universo – o que chamamos de sobrenatural -, coisa que podemos discutir mais adiante… Afinal, não faz sentido discutir isso aqui, já que o que você desejava, segundo seu último post, era debater sobre o ônus da prova. Acha que eu me esqueci?
      E mais uma vez a comparação de aliens com Deus, como se suas características fossem semelhantes.

      Ou não.

      Portanto quanto a ET´s e deuses é o máximo que se pode afirmar: não sabemos mas até poderão ser possíveis.

      Ou não.

      Tudo o resto é palpite.

      É engraçado…. O João alegou no último post que veio aqui para discutir sobre o ônus da prova. Nesse post ele simplesmente não fala sobre o ônus da prova. Curioso, não é?
      Só te respondo novamente, João, se você se ater ao tema proposto. Não há necessidade de responder o que escrevi aqui, não iremos considerar que você saiu derrotado no debate, iremos apenas considerar que você decidiu se ater ao tema proposto por você mesmo.
      Abraço.

      catolicoresp

      13/09/2011 at 18:53

  8. Acho belíssima a maneira como você consegue discrepar o ponto apresentado pelo cético acima usando parábolas, analogias e alegorias para expressar a subjetividade da tua ideologia.

    Por quê refutar usando apenas lógica se pode dar exemplos hipotéticos que demonstrem como esta linha de pensamento está correta, não é mesmo?

    Alberto H

    19/09/2011 at 21:02

    • Eu prefiro com os exemplos também, porque dependendo do exemplo dado fica parecendo até um pouco estúpidas as conclusões tiradas.

      Abraço,
      obrigado pela visita.

      catolicoresp

      19/09/2011 at 21:41

  9. Mais um a discordar,

    Ateísmo é falta de crença em deuses.

    Ateísmo não requer comprovação, ele é a rejeição de afirmações que não tem prova alguma da existência de deuses. Não faz nenhum sentido dizer que qualquer alegação necessita de prova.

    Quem tem de provar é quem afirma algo.

    Mas tudo bem, eu respondo: não acredito por quê simplesmente não tem provas e não faz nenhum sentido acreditar em algo sem provas.

    E por isso minha descrença é plenamente justificada e não existe argumento honesto e racional para refutá-la. Você não tem o direito de tentar empurrar pseudo-evidências. Você tem de aceitar que eu sou ateu e tentar provar que deus existe. Eu não tenho de provar coisa alguma.

    Pedro

    27/10/2011 at 17:57

    • Mais um a discordar,

      Ateísmo é falta de crença em deuses.

      Ateísmo não requer comprovação, ele é a rejeição de afirmações que não tem prova alguma da existência de deuses. Não faz nenhum sentido dizer que qualquer alegação necessita de prova.

      Olha o tamanho da besteira: O cara afirma que o “ateísmo não requer comprovação”, imagino eu que a justificativa seja que “é a rejeição de afirmações que não tem prova alguma”. Eu acho isso interessante, porque isso seria algo ridículo por vários aspectos: 1) Temos argumento Ontológico, Argumento Moral e Argumento Cosmológico de Kalam(Ou seja: “Nada”… Vá entender); 2) Mesmo que fossem alegações sem evidências, isso justificaria a dúvida acerca da existência, e não a mera inexistência, conforme é a crença ateísta.

      Em segundo lugar, leia o que você escreveu antes de postar. Você disse que o ateísmo “é a rejeição de afirmações que não tem prova alguma da existência de deuses”, ou seja, o ateísmo seria contrário à idéia de que não há evidências para a existência de Deus, pela sua definição. Pelo menos releia o que você escreveu antes de mandar para que eu não seja obrigado a decifrar esse tipo de frase.

      Quem tem de provar é quem afirma algo.
      Olha que cara cômico…. Primeiro ele diz: “Não faz nenhum sentido dizer que qualquer alegação necessita de prova.” e logo depois manda “Quem tem de provar é quem afirma algo“. Não seria uma exatamente o oposto da outra? Quem afirma algo tem de prová-lo, concordo. E o ateísmo afirma que Deus não existe. Logo, precisa provar a sua alegação.

      Para algo se tornar uma alegação não é necessário que tal alegação seja positiva. Ela pode ser negativa também; Dizer que “Deus existe” ou que “Deus não existe” são duas alegações. Uma negativa e outra positiva, de fato, mas continuam sendo duas alegações.

      Mas tudo bem, eu respondo: não acredito por quê simplesmente não tem provas e não faz nenhum sentido acreditar em algo sem provas.
      Ok. Você tem alguma prova para a alegação “não faz nenhum sentido acreditar em algo sem provas” ou você acredita nisso sem ter provas? Leia mais aqui sobre essa primeira parte aqui: http://teismo.net/quebrandoneoateismo/2011/08/02/parte-1-evidencialismo-dois-problemas-iniciais-e-suas-solues-2/

      Além disso, já citei os argumentos Ontológico, Cosmológico e Moral aqui…. É só você ir no google que não deve demorar muito a encontrar cada um deles e poder ler sobre. Logo, a idéia de que “não há provas” não sustenta a tua alegação.

      E por isso minha descrença é plenamente justificada e não existe argumento honesto e racional para refutá-la.
      Oi? E, até aqui, nenhum argumento honesto e racional foi exposto para sustentá-la, embora eu já tenha iniciado a refutação do que ele disse até aqui.

      Você não tem o direito de tentar empurrar pseudo-evidências.
      Se são “pseudo-evidências”, pateta, então por favor mostre as falhas delas. Ou então pare de choramingar. Lembrando que mostrar que todos os argumentos Teístas são falhos – mesmo que você fosse fazer isso – isso não ajudaria em nada o ateísmo, pois ainda não teríamos suporte da negativa: Apenas voltaríamos à estaca 0 de simples desconhecimento da existência ou inexistência de Deus.

      Você tem de aceitar que eu sou ateu e tentar provar que deus existe. Eu não tenho de provar coisa alguma.
      Acho que o restante aqui eu não preciso de refutar, pois já o fiz. Apenas uma observação: Eu tenho que aceitar que ele é ateu e engolir isso da forma que ele bem entende, sem poder falar nada. Agora ele pode vir aqui e sair dando voadora em tudo quanto é Teísta e mandando ele virar ateu e o mais cômico: Ele espera que todos sigam o ateísmo sem apresentar UM motivo sólido para isso.

      Acho que você está precisando colocar um pouco de juízo na cabeça, Pedro, antes de sair por aí falando besteiras. No próximo post, veja se 1) O que você escreveu faz sentido e 2) se você escreveu direito. Senão vai começar a complicar a nossa conversa.

      catolicoresp

      28/10/2011 at 14:03

  10. Oi Pateta,

    se esses seus PSEUDO-ARGUMENTOS fossem corretos, verdades, estariam amplamente questionados, aceitos e divulgados pela comunidade científica ou qualquer outra séria.

    Que te faz achar que a comunidade religiosa está certa e a científica errada? Em nome da fé pode-se tudo não é mesmo?

    É simplesmente impossível debater com você. Você fica em círculos intermináveis e achando que está causando.

    Exemplo: Ateísmo n requer comprovação – ah, mas tem os MEUS argumentos (copiou bem dirieitnho do Craig hein garoto! – Mas o ateu n acredita nessas alegações – prove – e eu tenho que provar PORRA nenhuma rapaz? Quem tem MOSTRAR que é VERDADE é a pessoa que AFIRMOU ORAS! Não EU que não acreditei – ah! mostre as falhas dos meus argumentinhos! QUEM TEM QUE MOSTRAR A VERDADE É VOCÊ RAPAZ!!! – Não refutou meus argumentos, eu venci! – Problema é que os argumentos não são verdades. Se fossem estariam pleanamente divulgados e aceitos em toda parte, concorda?

    I-M-P-O-S-S-Í-V-E-L debater amigo, humanamente impossível. Você NUNCA NUNCA NUNCA vai aceitar nenhuma refutação dos seus argumentos fajutos, por mais racional que seja, mostrando falha a falha. Eu tenho todas essas alegações, só que percebi que não tem nenhuma condição de expor aqui.

    Ainda tem a sacanagem de dizer que existe provas a favor de deus. Até tem..desde que você não saiba o que significa prova. Aurélio pra vc. O que vc tem se chama HIPÓTESE. Muito fraco, muito fraco mesmo.

    Pura perda de tempo, me desculpe…mas você passa longe de ter honestidade intelectual.
    Veja como a coisa anda em um exemplo IGUAL ao seu:

    * Descobri a cura da Aids.
    * Como funciona isso?
    * Tá aqui a pípula é só tomar
    * Ah, não acredito…vc tem que me mostrar que cura, n vou tomar qualquer coisa. Mostre os testes!
    * Você não refutou minha pesquisa e não pode dizer que meu remédio n cura
    * Mas kd a pesquisa rapaz?
    * Tá aqui!
    * Li…li..li…não tem comprovação de cura, sinto muito. Só existem hipóteses, nenhuma prova de fato.
    * Prove!
    * Meu amigo…quem tem que provar é você. A verdade cabe a você e não a mim que estou doente provar se funciona ou não. Eu só tomo se você me provar que funciona e seu relatório não mostra isso.
    * Não refutou minhas alegações, estamos na estaca zero e eu tenho a cura! Eba!

    Dá não velho, desculpa.
    Passar bem.

    Pedro

    29/10/2011 at 23:27

    • Oi Pateta,

      se esses seus PSEUDO-ARGUMENTOS fossem corretos, verdades, estariam amplamente questionados, aceitos e divulgados pela comunidade científica ou qualquer outra séria.

      Olha como esse cara é maluco: Ele quer que argumentos Filosóficos sejam avaliados pela Comunidade Científica. Vá entender! Vai ver ele também espera que Biólogos vejam se as obras dos estádios para a Copa do Mundo estão sendo feitas de modo adequado. E ele continua falando de “pseudo-argumentos” sem apresentar um motivo para que os consideremos falso.

      Que te faz achar que a comunidade religiosa está certa e a científica errada? Em nome da fé pode-se tudo não é mesmo?

      Mais uma vez, lá vem o papo da “Comunidade Científica” querendo julgar os argumentos Filosóficos e Teológicos. E o mais engraçado é que eu sou o burro da vez.

      É simplesmente impossível debater com você. Você fica em círculos intermináveis e achando que está causando.

      Mais uma alegação: “Você fica em círculos intermináveis”… Agora demonstrar a circularidade dos meus argumentos ele não demonstra de jeito nenhum! Mais uma alegação desse neo-ateu sem nenhuma evidência. Porque não estou surpreso?

      Exemplo: Ateísmo n requer comprovação

      Engraçado… Eu fiz um post demonstrando exatamente porque os Ateístas precisam apresentar argumentos para apoiar essa tese – argumentos que não foram refutados em nenhum momento pelo Pedro -, mas ele continua repetindo a mesma coisa sem se cansar. E depois EU é que estou falando em círculos.

      ah, mas tem os MEUS argumentos (copiou bem dirieitnho do Craig hein garoto! – Mas o ateu n acredita nessas alegações – prove – e eu tenho que provar PORRA nenhuma rapaz?
      Tô falando pra você reler a porcaria do teu post. Meteu-lhe um parênteses e não fechou, mostrando que, pra variar, você nem está pensando no que está escrevendo. Na verdade, toda essa frase foi feita para que eu tenha de decifrá-la, aparentemente. Vou tentar interpretar e responder isso? Não, não vou. Se alguém quer debater com qualquer pessoa que seja o mínimo que se deve fazer é escrever com alguma clareza.

      Quem tem MOSTRAR que é VERDADE é a pessoa que AFIRMOU ORAS!
      E você não faz a afirmação de que o Teísmo é falso? Não é exatamente isso que o ateísmo é? O que é o ateísmo, senão a alegação de que o Teísmo é falso? Logo, vocês possuem uma alegação! E quantas vezes será necessário dizer isso para que você refute o que eu disse? Infinitas vezes? Larga de ser retardado!

      Não EU que não acreditei – ah! mostre as falhas dos meus argumentinhos! QUEM TEM QUE MOSTRAR A VERDADE É VOCÊ RAPAZ!!!

      Ou seja: Eu tenho que apresentar a verdade. Se eu apresentar argumentos sólidos e ele simplesmente disser que é mentira, sem apontar sequer UMA falha na minha argumentação, ele está certo.
      É mais ou menos o seguinte: Apresentam-se todas as evidências para a Gravidade. Eu pego e digo: São todas mentirosas! Logo, eu(que no exemplo neguei a existência da Gravidade) é que estou certo: Afinal, eu apenas neguei uma alegação e disse que as evidências eram falsas. Pela tese do Pedro, a minha negação não precisaria de evidência alguma.

      Ele se recusa a demonstrar as falhas nos argumentos, mas insiste em dizer que estão errados. Isso é de uma desonestidade incomensurável! Ele, que vive clamando louvores à comunidade científica vai de encontro à própria Ciência quando diz que algo está errado sem mostrar o porquê de sua alegação. Isso se chama desonestidade ou burrice. Talvez os dois.

      – Não refutou meus argumentos, eu venci! – Problema é que os argumentos não são verdades. Se fossem estariam pleanamente divulgados e aceitos em toda parte, concorda?

      Não, não concordo, meu caro. Há vontade nas pessoas: Há quem negue o Teísmo por mera vontade de ter, por exemplo, uma vida sexual desregrada(Vide: http://www.apologia.com.br/?p=73), mas isso nem de longe refuta o Teísmo. Você diz que meus argumentos não são verdades e que você não precisa refutá-los. Eu posso dizer o mesmo sobre essa sua alegação. Isso faria de minha alegação uma verdade? De forma alguma! Só um completo imbecil apoia a tua tese maluca.

      I-M-P-O-S-S-Í-V-E-L debater amigo, humanamente impossível. Você NUNCA NUNCA NUNCA vai aceitar nenhuma refutação dos seus argumentos fajutos, por mais racional que seja, mostrando falha a falha. Eu tenho todas essas alegações, só que percebi que não tem nenhuma condição de expor aqui.

      Engraçado… Ele não mostra um argumento sólido perante o que apresentei a ele… E é impossível debater comigo???? Ah, pelo amor de Deus! Vá te tratar.

      Pura perda de tempo, me desculpe…mas você passa longe de ter honestidade intelectual.
      Olha só, vejamos quem é desonesto.
      O Pedro:
      1) Quer que argumentos Filosóficos sejam amplamente aceitos na Comunidade Científica (?)
      2) Não refuta nenhum argumento Teísta
      3) Defende que, se você nega um argumento você não precisa refutá-lo (?!?!)

      E eu é que sou o desonesto!!! Olha como é doido esse indivíduo!

      Veja como a coisa anda em um exemplo IGUAL ao seu:

      * Descobri a cura da Aids.
      * Como funciona isso?
      * Tá aqui a pípula é só tomar
      * Ah, não acredito…vc tem que me mostrar que cura, n vou tomar qualquer coisa. Mostre os testes!
      * Você não refutou minha pesquisa e não pode dizer que meu remédio n cura
      * Mas kd a pesquisa rapaz?
      * Tá aqui!
      * Li…li..li…não tem comprovação de cura, sinto muito. Só existem hipóteses, nenhuma prova de fato.
      * Prove!
      * Meu amigo…quem tem que provar é você. A verdade cabe a você e não a mim que estou doente provar se funciona ou não. Eu só tomo se você me provar que funciona e seu relatório não mostra isso.
      * Não refutou minhas alegações, estamos na estaca zero e eu tenho a cura! Eba!

      A diferença é básica: Para resolver o problema da pílula, basta tomá-la e ver se realmente funciona. Não dá pra você “tomar”(Chamemos de “testar empiricamente”) os argumentos filosóficos, meu caro. Qualquer um que tenha o mínimo de bom senso sabe disso… Vamos testar empiricamente o Argumento Ontológico ou o Argumento Cosmológico de Kalam! Boa, tenta. Louco!

      Dá não velho, desculpa.
      Passar bem.

      Realmente, não dá. Teu nível é muito pequeno.
      Passar bem. Seus próximos comentários não serão aceitos.

      catolicoresp

      30/10/2011 at 21:01


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: